Arquivo da categoria: Viagem

Whittier, Alaska, USA

Da pequena cidade de Whittier partem barcos que levam turistas por uma paisagem deslumbrante que inclui vários glaciares. Essa cidade fica localizada ao sudeste de Anchorage e possui apenas 214 habitantes, segundo censo de 2015. Grande parte da estrada que liga Anchorage a Whittier costeia o mar e a vista da esquerda para a direita é formada por montanhas, estrada, linha férrea, mar e montanhas (foto abaixo). Montanhas com topos brancos e ranhuras brancas de neve que chegam muitas vezes até o mar.

estrada-anchorage-whittier

Para chegar em Whittier, é necessário atravessar o estreito Portage túnel escavado na montanha Maynard cuja via é pedagiada. O túnel possui extensão de 4 km e fica aberto 30 minutos para cada direção a partir das 10h.

O barco saiu às 12h30 e voltou por volta das 17h. Foram mais de 140 milhas navegando em um cenário espetacular de um dia ensolarado; porém, frio.

IMG_3495(Surprise Glacier, Harriman Fjord, Valdez, Alaska)

IMG_3281(College Fjord, Whittier, Alaska)

IMG_0709(Surprise Glacier, Harriman Fjord, Valdez, Alaska)

IMG_0155(Harriman Fjord, Alaska)

Nessa época do ano, perto do verão, uma parte das geleiras derretem e é possível chegar bem perto para ver e ouvir grandes blocos de gelos se desprenderem dos glaciares.

Anchorage, Alaska, USA (IJCNN’2017)

O International Joint Conference on Neural Networks (IJCNN) de 2017 ocorreu em Anchorage, a maior cidade do Alaska-USA que concentra mais de quarenta porcento da população desse estado. O Alaska foi comprado do Império Russo pelos americanos e se tornou o quadragésimo novo estado dos EUA em 1959.

Nesse evento tive dois artigo aceitos. Um dos artigo (On the Characterization of the Oracle for Dynamic Classifier Selection) é fruto do mestrado de Mariana e propõe um algoritmo para gerar um pool de classificadores por problema. Nesse trabalho mostramos que o Oracle não é uma boa medida para guiar a construção do pool e propomos uma alternativa: o Hit Rate.  O segundo artigo (Analyzing Different Prototype Selection Techniques for Dynamic Classifier and Ensemble Selection) compara vários algoritmos de seleção de protótipos para reduzir o conjunto de validação em sistemas de seleção dinâmica de classificadores.

O centro da cidade de Anchorage é bastante deserta. Avistam-se várias edificações que não foram beneficiadas pela criatividade de seus arquitetos. Outro fato que desperta a curiosidade é a grande quantidade de estacionamentos pagos no centro. É possível encontrá-los em quase todos os quarteirões e vários deles chegam a ter seis andares. 

2017-alaska-vista-do-hotel

Assim como a cidade de Santiago, Chile, a cidade de Anchorage é cercada por montanhas (foto acima), porém não tão altas quanto às de Santiago. Como não existem muitos prédios altos, a vista das montanhas é uma constante atração para quem está no centro. 

Passei por vários parques no centro da cidade. Parques bonitos e bem cuidados, com trilhas e espaço para um passeio de bicicleta; mas, quase sempre vazios. Compartilho que o clima não é o melhor atrativo da cidade, mas a temperatura estava acima de zero grau durante toda a minha estada. 😉 Para quem gosta de esportes de aventura, o Alaska parece ser o paraíso. São incontáveis trilhas.

2017-alaska-sol-das-23hA foto acima foi tirada do primeiro andar da cervejaria 49th State Brewing perto das 23h. Repare que o sol ainda se fazia presente na sua totalidade.

2017-alaska-24hDe fato, nessa época do ano, mesmo após a meia-noite quando o sol já havia de posto, não ficava totalmente escuro, pois o sol navegava um pouco abaixo do horizonte (a foto acima foi tirada um pouco após a meia-noite).

New Orleans, USA (ICASSP, 2017)

O French Quartier certamente é um dos pontos mais badalados da maior cidade da Louisiana. A Bourbon street é sua rua mais conhecida e é indicada para quem busca diversão. São vários bares, restaurantes e, muita, muita gente caminhando para cima e para baixo em clima de festa. Esse clima de festa, com um toque de bagunça, é prejudicado pelo cheiro desagradável das ruas. E não estou falando do cheiro que advém de fumaça de cigarros e afins lícitos ou não. Conjecturo que, assim como a cidade de Recife, New Orleans possui vários pontos abaixo do nível do mar e isso dificulta (mas não é desculpa!) o fluxo da rede de esgoto.  

bourbon-street

Os quarteirões da Frenchman street que ficam próximos ao rio Mississipi possuem vários e diversificados ambientes para quem quer curtir jazz/blues de raiz. Uma alternativa barata e rápida para quem está no centro e não deseja andar até a Frenchman street é pegar o bondinho. São três linhas ao preço de 1,25 dólar por trecho.

bondinho

Um dos marcos da arquitetura do French Quartier é a fachada das edificações. Muitas delas possuem uma varanda no primeiro andar que é apoiada por vigas de metal que protegem as calçadas da chuva e do sol. 

FullSizeRender 8

No coração do French Quartier localiza-se a St. Louis Cathedral. 

catedral2

No IEEE International Conference on Acoustics, Speech and Signal Processing (ICASSP) desse ano, mais de 1200 artigos foram apresentados. Pelo que constatei, poucos foram artigos de brasileiros que estão no Brasil. Do CIn-UFPE, fomos os únicos participantes do maior evento de processamento de sinais. Seguem a seguir duas fotos dos pôsteres que apresentamos sobre verificação de locutor e segmentação de fala.

poster1poster2

Na primeira foto estão, da esquerda para a direita, Hector, eu, André e Tsang. Já na segunda, da esquerda para a direita, estão André, eu, Tsang e Leonardo. 

Lugar-comum no coffee-break do evento era o beignets. Fritura típica da região normalmente acompanhada por açúcar de confeiteiro ou chocolate quente. Iguaria local provada no evento e no Cafe du Monde.

Algumas coisas são difíceis de entender. Na frente do hotel que fiquei hospedado tem um restaurante chamado Mothers. Ve-sê constantemente fila na porta desse restaurante que serve, entre várias coisas, café da manhã durante o dia todo. A comida não é lá essas coisas e os atendentes não são simpáticos (estou sendo simpático na adjetivação ;)). Por outro lado, simpatia não faltou no Ruby Slipper.

Budapest, Hungary (SMC’2016)

201610-smc-budapestO congresso anual da IEEE International Conference on Systems, Man, and Cybernetics (SMC) foi realizado esse ano na capital da Hungria: a linda cidade de Budapeste. O evento foi dedicado ao húngaro John von Neumann, um dos pioneiros da ciência da computação. Durante a segunda guerra mundial, ele trabalhou em conjunto com renomados pesquisadores no Projeto Manhattan e, entre várias contribuições em diversos ramos, vale destacar que os computadores que usamos hoje usam uma arquitetura que leva seu nome (Arquitetura de von Neumann).

A cidade de Budapeste foi formada pela união de duas cidades separadas pelo rio Danúbio: Buda e Peste. A foto abaixo mostra a vista de Buda a partir de Peste, além da belíssima ponte (Chain Bridge) sobre o rio Danúbio e, ao fundo, o castelo Buda (Buda Castle).

201610-smc

Nesse congresso, apresentamos o artigo “A prediction classifier architecture to forecast device status on smart environments” no qual propomos um sistema para casas inteligentes com o objetivo de aumentar o conforto dos usuários da casa e, ao mesmo tempo, economizar energia.

201610-smc-autores

O artigo foi fruto de uma parceria entre a Samsung (SIDI-Campinas), o Instituto Eldorado (Brasília) e o CIn-UFPE (Recife). O artigo foi apresentado por Cristina (à esquerda na foto acima) que trabalha no Instituto Eldorado; e, à direita na foto, encontra-se Rafael Simionato que trabalha na Samsung em Campinas.

 

 

Vancouver, Canadá (WCCI’2016)

Vancouver é uma cidade de clima tropical. Essa foi minha impressão, pois a cidade estava ensolarada durante toda a minha estada; final de julho de 2016. Lucky man, I know! Cidade muito bonita e bem cuidada, especialmente perto do Place du Canada às margens do mar.
Na manhã da quinta-feira, dia seguinte ao banquet, Roberto, aluno de doutorado, apresentou nosso artigo no International Joint Conference on Neural Networks (IJCNN), um dos três eventos do World Congress on Computational Intelligence (WCCI). Esse artigo foi fruto do mestrado de Rogério e apresenta uma das principais contribuições de sua dissertação.
2016-wcci-roberto
A artigo trata sobre categorização de textos que é a tarefa de atribuir automaticamente uma categoria dentre um conjunto previamente determinado de categorias a um texto. O título do artigo é “Class-dependent feature selection algorithm for text categorization” e apresenta um algoritmo para selecionar termos (palavras) importantes para problemas de categorização de textos levando em conta informações específicas de cada uma das categorias do problema.
No final da tarde da quinta-feira tive a oportunidade de alugar uma bicicleta e pedalar por mais de duas horas no belíssimo Stanley Park. O parque fica no centro da cidade e grande parte do passeio pode ser feito tendo o mar como companhia.
2016-stanley-park
No meio do pedal, uma parada para reabastecer no Tap & Barrel com Luiz.
img_0817
Antes de voltarmos para casa, conseguirmos visitar a cidade de Whistler. Whistler é uma famosa estação de esqui que no verão é invadida por aficionados em montain bike, e por pessoas que procuram um lugar agradável e gente bonita.
2016-whistler
Whistler sediou as Olimpíadas de inverno em 2010. A cidade é cercada por montanhas que mesmo com a temperatura acima dos 30 graus têm seus topos brancos de neve. Whistler fica a duas horas de carro de Vancouver. A estrada costeia o mar em sua grande extensão. Belíssima paisagem: mar, montanhas, cachoeiras, lagos, paredões para alpinistas. Viagem agradável com Luiz, Robert e sua esposa.

Banca de doutorado no ITA

Nas vésperas do Natal de 2015 fui pela primeira vez para a cidade de São José dos Campos-SP. Essa viagem foi motivada pelo convite do prof. Carlos Ribeiro para que eu participasse como examinador externo na defesa de doutorado de sua aluna Thaís Uzun. O assunto da tese foi a detecção de comunidades que tem o objetivo de encontrar nós que são densamente conectados; essa é uma área de estudos relacionada a redes complexas.  Essa foi minha última banca de doutorado do ano.

Antes da defesa no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) , Carlos sugeriu que almoçássemos num restaurante chamado Quisque Philosofy. Restaurante com uma decoração muito agradável no estilo “colcha de retalhos”, no qual ambientes diferentes são decorados de maneira particular. Em um ambiente, grafites, noutro quadros abstratos. Um excelente restaurante orgânico gourmet; agradável recanto num bairro calmo.

Fazia um tempo queria ler o livro “Correr” escrito pelo médico Drauzio Varella. No dia anterior à defesa fui numa livraria e comprei-o. Logo pensei que seria mais um livro que iria para a estante à espera de uma pausa, sempre postergada, para finalizar sua leitura. Dos males que vem para o bem, o avião, na volta para Recife, demorou cinquenta e cinco minutos parado na pista, enquanto aguardava dois passageiros com problemas de locomoção, mais quase três horas de voo, tempo habitual da viagem para o trecho Guarulhos-Recife. Tempo suficiente para finalizar o livro numa única sentada. Esse vai para a estante com partes destacadas e as “principais partes” na memória. Sensação boa! Boa como a sensação descrita pelo autor ao acabar uma maratona. Acabei e prontamente fui modificado pelo processo. Sensação boa!

Esse foi o segundo livro de Varrela que li. O primeiro foi o “O médico doente” no qual o autor relata sua experiência como paciente após contrair febre amarela e ter um diagnóstico tardio. Assim como o primeiro livro, “Correr” é de leitura fácil e as páginas correm/voam por uma narrativa fluida permeada por sinceridade e doses de humor.

Ao terminar o livro, desejo voltar a correr. Na realidade, assim que acabei, queria correr. Correr pois compartilho com o autor experiências de autoconversa durante uma corrida. Autoconversa nem sempre consciente, mas sempre necessária.

Feliz Natal!

23|dezembro|2015