Banca de doutorado no ITA

Nas vésperas do Natal de 2015 fui pela primeira vez para a cidade de São José dos Campos-SP. Essa viagem foi motivada pelo convite do prof. Carlos Ribeiro para que eu participasse como examinador externo na defesa de doutorado de sua aluna Thaís Uzun. O assunto da tese foi a detecção de comunidades que tem o objetivo de encontrar nós que são densamente conectados; essa é uma área de estudos relacionada a redes complexas.  Essa foi minha última banca de doutorado do ano.

Antes da defesa no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) , Carlos sugeriu que almoçássemos num restaurante chamado Quisque Philosofy. Restaurante com uma decoração muito agradável no estilo “colcha de retalhos”, no qual ambientes diferentes são decorados de maneira particular. Em um ambiente, grafites, noutro quadros abstratos. Um excelente restaurante orgânico gourmet; agradável recanto num bairro calmo.

Fazia um tempo queria ler o livro “Correr” escrito pelo médico Drauzio Varella. No dia anterior à defesa fui numa livraria e comprei-o. Logo pensei que seria mais um livro que iria para a estante à espera de uma pausa, sempre postergada, para finalizar sua leitura. Dos males que vem para o bem, o avião, na volta para Recife, demorou cinquenta e cinco minutos parado na pista, enquanto aguardava dois passageiros com problemas de locomoção, mais quase três horas de voo, tempo habitual da viagem para o trecho Guarulhos-Recife. Tempo suficiente para finalizar o livro numa única sentada. Esse vai para a estante com partes destacadas e as “principais partes” na memória. Sensação boa! Boa como a sensação descrita pelo autor ao acabar uma maratona. Acabei e prontamente fui modificado pelo processo. Sensação boa!

Esse foi o segundo livro de Varrela que li. O primeiro foi o “O médico doente” no qual o autor relata sua experiência como paciente após contrair febre amarela e ter um diagnóstico tardio. Assim como o primeiro livro, “Correr” é de leitura fácil e as páginas correm/voam por uma narrativa fluida permeada por sinceridade e doses de humor.

Ao terminar o livro, desejo voltar a correr. Na realidade, assim que acabei, queria correr. Correr pois compartilho com o autor experiências de autoconversa durante uma corrida. Autoconversa nem sempre consciente, mas sempre necessária.

Feliz Natal!

23|dezembro|2015

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s