Arquivo do autor:darmiton

Étretat, França (2018)

Foi nessa praia que Claude Monet pintou alguns quadros enquanto passava férias às margens do Canal da Mancha na cidade de Étretat no final do século XIX. A cidade fica num vale, cercada de lindas falésias que inspiraram o pintor francês.

A praia de Etretat nos oferece, além de um visual exuberante, uma sonoridade ímpar, pois a camada superficial de sua praia, ao invés de areia, como estou acostumado, é formada por pedras (galet). Sim, é uma praia na qual você não precisa se preocupar em ficar com os pés e parte das pernas cobertos de areia ao sair da água. Essas pedras produzem um hipnotizante som ao sabor das ondas. Após arrebentar na praia, cada onda retorna ao mar e as inúmeras pedras se chocam umas contras as outras. A harmonia dessa sinfônica formada pelas ondas, pelo vento e pelas pedras é inebriante.

Kenai Fjords National Park, Alaska, USA

A cidade de Seward fica localizada na Península de Kenai e está a 200 km ao sul de Anchorage. A paisagem durante toda a viagem é espetacular, muitas montanhas, rio, mar, lagos, florestas, e, pouca civilização. Observação: ao longo desse caminho inóspito existem banheiros públicos bem cuidados e a estrada é de muito boa qualidade.

Após 160 km paramos no Moose Pass para tomarmos um café com muffin. Alimentados fomos ao Kenai Fiords National Park. O parque é bem grande e decidimos ir diretamente para as trilhas que levam ao Exit Glacier (foto a seguir).

IMG_4232

A placa marcando “2005” indica o local no qual o Exit Glacier estava nesse ano. Percebe-se que nesses últimos anos houve um recuo do glaciar. Na trilha que leva até o glaciar, é possível ver várias dessas placas, cada uma indicando em qual local a geleira estava em um ano específico. A marcação mais antiga data de 1968.

seward.jpg

Na cidade de Seward, almoçamos um salmão do Alaska com uma IPA local no Seward Brewery Company.

 

Whittier, Alaska, USA

Da pequena cidade de Whittier partem barcos que levam turistas por uma paisagem deslumbrante que inclui vários glaciares. Essa cidade fica localizada ao sudeste de Anchorage e possui apenas 214 habitantes, segundo censo de 2015. Grande parte da estrada que liga Anchorage a Whittier costeia o mar e a vista da esquerda para a direita é formada por montanhas, estrada, linha férrea, mar e montanhas (foto abaixo). Montanhas com topos brancos e ranhuras brancas de neve que chegam muitas vezes até o mar.

estrada-anchorage-whittier

Para chegar em Whittier, é necessário atravessar o estreito Portage túnel escavado na montanha Maynard cuja via é pedagiada. O túnel possui extensão de 4 km e fica aberto 30 minutos para cada direção a partir das 10h.

O barco saiu às 12h30 e voltou por volta das 17h. Foram mais de 140 milhas navegando em um cenário espetacular de um dia ensolarado; porém, frio.

IMG_3495(Surprise Glacier, Harriman Fjord, Valdez, Alaska)

IMG_3281(College Fjord, Whittier, Alaska)

IMG_0709(Surprise Glacier, Harriman Fjord, Valdez, Alaska)

IMG_0155(Harriman Fjord, Alaska)

Nessa época do ano, perto do verão, uma parte das geleiras derretem e é possível chegar bem perto para ver e ouvir grandes blocos de gelos se desprenderem dos glaciares.

Anchorage, Alaska, USA (IJCNN’2017)

O International Joint Conference on Neural Networks (IJCNN) de 2017 ocorreu em Anchorage, a maior cidade do Alaska-USA que concentra mais de quarenta porcento da população desse estado. O Alaska foi comprado do Império Russo pelos americanos e se tornou o quadragésimo novo estado dos EUA em 1959.

Nesse evento tive dois artigo aceitos. Um dos artigo (On the Characterization of the Oracle for Dynamic Classifier Selection) é fruto do mestrado de Mariana e propõe um algoritmo para gerar um pool de classificadores por problema. Nesse trabalho mostramos que o Oracle não é uma boa medida para guiar a construção do pool e propomos uma alternativa: o Hit Rate.  O segundo artigo (Analyzing Different Prototype Selection Techniques for Dynamic Classifier and Ensemble Selection) compara vários algoritmos de seleção de protótipos para reduzir o conjunto de validação em sistemas de seleção dinâmica de classificadores.

O centro da cidade de Anchorage é bastante deserta. Avistam-se várias edificações que não foram beneficiadas pela criatividade de seus arquitetos. Outro fato que desperta a curiosidade é a grande quantidade de estacionamentos pagos no centro. É possível encontrá-los em quase todos os quarteirões e vários deles chegam a ter seis andares. 

2017-alaska-vista-do-hotel

Assim como a cidade de Santiago, Chile, a cidade de Anchorage é cercada por montanhas (foto acima), porém não tão altas quanto às de Santiago. Como não existem muitos prédios altos, a vista das montanhas é uma constante atração para quem está no centro. 

Passei por vários parques no centro da cidade. Parques bonitos e bem cuidados, com trilhas e espaço para um passeio de bicicleta; mas, quase sempre vazios. Compartilho que o clima não é o melhor atrativo da cidade, mas a temperatura estava acima de zero grau durante toda a minha estada. 😉 Para quem gosta de esportes de aventura, o Alaska parece ser o paraíso. São incontáveis trilhas.

2017-alaska-sol-das-23hA foto acima foi tirada do primeiro andar da cervejaria 49th State Brewing perto das 23h. Repare que o sol ainda se fazia presente na sua totalidade.

2017-alaska-24hDe fato, nessa época do ano, mesmo após a meia-noite quando o sol já havia de posto, não ficava totalmente escuro, pois o sol navegava um pouco abaixo do horizonte (a foto acima foi tirada um pouco após a meia-noite).

New Orleans, USA (ICASSP, 2017)

O French Quartier certamente é um dos pontos mais badalados da maior cidade da Louisiana. A Bourbon street é sua rua mais conhecida e é indicada para quem busca diversão. São vários bares, restaurantes e, muita, muita gente caminhando para cima e para baixo em clima de festa. Esse clima de festa, com um toque de bagunça, é prejudicado pelo cheiro desagradável das ruas. E não estou falando do cheiro que advém de fumaça de cigarros e afins lícitos ou não. Conjecturo que, assim como a cidade de Recife, New Orleans possui vários pontos abaixo do nível do mar e isso dificulta (mas não é desculpa!) o fluxo da rede de esgoto.  

bourbon-street

Os quarteirões da Frenchman street que ficam próximos ao rio Mississipi possuem vários e diversificados ambientes para quem quer curtir jazz/blues de raiz. Uma alternativa barata e rápida para quem está no centro e não deseja andar até a Frenchman street é pegar o bondinho. São três linhas ao preço de 1,25 dólar por trecho.

bondinho

Um dos marcos da arquitetura do French Quartier é a fachada das edificações. Muitas delas possuem uma varanda no primeiro andar que é apoiada por vigas de metal que protegem as calçadas da chuva e do sol. 

FullSizeRender 8

No coração do French Quartier localiza-se a St. Louis Cathedral. 

catedral2

No IEEE International Conference on Acoustics, Speech and Signal Processing (ICASSP) desse ano, mais de 1200 artigos foram apresentados. Pelo que constatei, poucos foram artigos de brasileiros que estão no Brasil. Do CIn-UFPE, fomos os únicos participantes do maior evento de processamento de sinais. Seguem a seguir duas fotos dos pôsteres que apresentamos sobre verificação de locutor e segmentação de fala.

poster1poster2

Na primeira foto estão, da esquerda para a direita, Hector, eu, André e Tsang. Já na segunda, da esquerda para a direita, estão André, eu, Tsang e Leonardo. 

Lugar-comum no coffee-break do evento era o beignets. Fritura típica da região normalmente acompanhada por açúcar de confeiteiro ou chocolate quente. Iguaria local provada no evento e no Cafe du Monde.

Algumas coisas são difíceis de entender. Na frente do hotel que fiquei hospedado tem um restaurante chamado Mothers. Ve-sê constantemente fila na porta desse restaurante que serve, entre várias coisas, café da manhã durante o dia todo. A comida não é lá essas coisas e os atendentes não são simpáticos (estou sendo simpático na adjetivação ;)). Por outro lado, simpatia não faltou no Ruby Slipper.

Santiago, Chile (2016)

Vista da capital do Chile, Santiago, do Cerro San Cristóbal, a 880 metros acima do nível do mar.

IMG_1303

Essa foi nossa primeira viagem ao exterior sem Tozinho que ficou com os avós. Eu já tinha viajado outras vezes para o exterior, mas, sem Binha e sem Tozinho. A primeira grande diferença é o nível de saudade. Como estamos sempre juntos, eu, Binha e Tozinho. Estar com ela, e, sem ele, exacerbou a saudade por ele. Mas, a cidade proporcionou vários bons momentos: veja a seguir, estou cercado de uva, ou melhor de vinho, em visita à vinícola Concha Y Toro nos arredores de Santiago.

IMG_8156

A cidade de Santiago não fica no litoral. Seus habitantes que desejam aproveitar a brisa marinha normalmente recorrem a cidade de Viña del Mar que fica a 120 km de distância (a foto a seguir foi tirada na praia de Viña del Mar). A cidade vizinha de Viña del Mar é Valparaiso e sua parte histórica foi declarada patrimônio da humanidade em 2003 pela Unesco. Suas ruas e morros lembram nossas Olinda e Salvador, mas, assim como nossas conterrâneas, Valparaiso requer mais atenção e cuidado de quem a governa.

vinadelmar

Banhada pelas águas do Pacífico, Valparaiso teve seu auge no passado pois era rota obrigatória para os navios que desejavam fazer a transição entre os oceanos Atlântico e Pacífico. Após a construção do canal do Panamá, não era mais necessário fazer uma viagem tão longa para atingir o mesmo resultado. Logo, a cidade que outrora possuía um dos principais portos do mundo, perdeu seus visitantes contumazes.

A imagem à esquerda acima foi registrada no Museu de Arte Pré-Colombiana que fica no centro de Santiago. Já a fotografia à direita, que mostra diversos itens dispostos em fileiras verticais suportados por cordas, foi registrada abaixo da estátua da Vigem Maria no topo do Cerro San Cristóbal.  Misticismo e fé, sejam eles contemporâneos ou antigos, estão presentes aos pés dos Andes.

Budapest, Hungary (SMC’2016)

201610-smc-budapestO congresso anual da IEEE International Conference on Systems, Man, and Cybernetics (SMC) foi realizado esse ano na capital da Hungria: a linda cidade de Budapeste. O evento foi dedicado ao húngaro John von Neumann, um dos pioneiros da ciência da computação. Durante a segunda guerra mundial, ele trabalhou em conjunto com renomados pesquisadores no Projeto Manhattan e, entre várias contribuições em diversos ramos, vale destacar que os computadores que usamos hoje usam uma arquitetura que leva seu nome (Arquitetura de von Neumann).

A cidade de Budapeste foi formada pela união de duas cidades separadas pelo rio Danúbio: Buda e Peste. A foto abaixo mostra a vista de Buda a partir de Peste, além da belíssima ponte (Chain Bridge) sobre o rio Danúbio e, ao fundo, o castelo Buda (Buda Castle).

201610-smc

Nesse congresso, apresentamos o artigo “A prediction classifier architecture to forecast device status on smart environments” no qual propomos um sistema para casas inteligentes com o objetivo de aumentar o conforto dos usuários da casa e, ao mesmo tempo, economizar energia.

201610-smc-autores

O artigo foi fruto de uma parceria entre a Samsung (SIDI-Campinas), o Instituto Eldorado (Brasília) e o CIn-UFPE (Recife). O artigo foi apresentado por Cristina (à esquerda na foto acima) que trabalha no Instituto Eldorado; e, à direita na foto, encontra-se Rafael Simionato que trabalha na Samsung em Campinas.

 

 

Vancouver, Canadá (WCCI’2016)

Vancouver é uma cidade de clima tropical. Essa foi minha impressão, pois a cidade estava ensolarada durante toda a minha estada; final de julho de 2016. Lucky man, I know! Cidade muito bonita e bem cuidada, especialmente perto do Place du Canada às margens do mar.
Na manhã da quinta-feira, dia seguinte ao banquet, Roberto, aluno de doutorado, apresentou nosso artigo no International Joint Conference on Neural Networks (IJCNN), um dos três eventos do World Congress on Computational Intelligence (WCCI). Esse artigo foi fruto do mestrado de Rogério e apresenta uma das principais contribuições de sua dissertação.
2016-wcci-roberto
A artigo trata sobre categorização de textos que é a tarefa de atribuir automaticamente uma categoria dentre um conjunto previamente determinado de categorias a um texto. O título do artigo é “Class-dependent feature selection algorithm for text categorization” e apresenta um algoritmo para selecionar termos (palavras) importantes para problemas de categorização de textos levando em conta informações específicas de cada uma das categorias do problema.
No final da tarde da quinta-feira tive a oportunidade de alugar uma bicicleta e pedalar por mais de duas horas no belíssimo Stanley Park. O parque fica no centro da cidade e grande parte do passeio pode ser feito tendo o mar como companhia.
2016-stanley-park
No meio do pedal, uma parada para reabastecer no Tap & Barrel com Luiz.
img_0817
Antes de voltarmos para casa, conseguirmos visitar a cidade de Whistler. Whistler é uma famosa estação de esqui que no verão é invadida por aficionados em montain bike, e por pessoas que procuram um lugar agradável e gente bonita.
2016-whistler
Whistler sediou as Olimpíadas de inverno em 2010. A cidade é cercada por montanhas que mesmo com a temperatura acima dos 30 graus têm seus topos brancos de neve. Whistler fica a duas horas de carro de Vancouver. A estrada costeia o mar em sua grande extensão. Belíssima paisagem: mar, montanhas, cachoeiras, lagos, paredões para alpinistas. Viagem agradável com Luiz, Robert e sua esposa.

Pesquisa em ciência da computação às avessas

Motivado por indicação de um dos revisores de um artigo meu que está em análise, li e sugiro a leitura de dois artigos interessantes que abordam a necessidade, ou não, de experimentação em ciência da computação, são eles:  Experiments as Research Validation: Have We Gone Too Far? e Theory Without Experiments: Have We Gone Too Far?.

A ciência da computação é vasta e formada de várias subáreas, entre elas: teoria da computação, banco de dados, redes, engenharia de software, inteligência computacional e arquitetura. Como tal, encontrar uma metodologia universal para validar toda e qualquer pesquisa realizada na grande área parece-me utopia. <para quem leu os artigos listados no primeiro parágrafo> Entendo que o uso de experimentos não só ajudam, como não atrapalham; o problema é outro, pelo menos nas cercanias.

Decerto é que o foco da pesquisa, independente da subárea, deve estar na novidade e não apenas na precisão. Esse é um ponto importante pois é fácil encontrar artigos, ditos científicos que quando muito são tecnológicos, e até pesquisadores que justificam suas pesquisas pelo fato de terem encontrado uma boa precisão usando alguma medida. Vale salientar que a quantidade de medidas existentes é enorme e, derivado desse fato, encontrar pelo menos uma medida que justifique o modelo proposto pode ser questão de paciência. Veja esse artigo que lista mais de 30 medidas comumente usadas na área de mineração de dados.

Pesquisas dessa natureza muitas vezes se assemelham a colchas de retalhos compostas pela justaposição de diversas abordagens e que parecem ter surgido por obra do acaso ou por tentativa e erro. Nesses casos, justificar a motivação de tais pesquisas torna-se um pandemônio. Pois, as motivações de fato nunca foram pensadas, e agora que boas taxas de acerto foram obtidas é necessário pensar às avessas. Aí, o objetivo da pesquisa passa a ser encontrar uma justificativa que suporte a medida. <e quando tal justificativa não é encontrada? Resposta curta: comece novamente. Resposta longa: discutiremos isso em outro momento>.

Obter resultados muito bons não é ruim. Muito pelo contrário, em especial para a indústria que busca soluções para o mercado sempre ávido por diferenciais que desbanquem a concorrência. Por outro lado, para o crescimento do “conhecimento científico” precisamos de algo mais. Precisamos de premissas que suportem nossas ideias, pois assim, podemos colocar mais um degrau na escada que ajudará outros pesquisadores a galgar na direção da expansão do conhecimento científico.